Seguidores

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Este inferno de amar !






Este inferno de amar — como eu amo!
Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi?
Esta chama que alenta e consome,
Que é a vida — e que a vida destrói —
Como é que se veio a atear,
Quando — ai quando se há-de ela apagar?
Eu não sei, não me lembra; o passado,
A outra vida que dantes vivi
Era um sonho talvez… — foi um sonho —
Em que paz tão serena a dormi!
Oh! que doce era aquele sonhar…
Quem me veio, ai de mim! despertar?

Só me lembra que um dia formoso
Eu passei… dava o Sol tanta luz!
E os meus olhos, que vagos giravam,
Que fez ela? Eu que fiz? — Não não sei
Mas nessa hora a viver comecei…

Almeida Garrett

1 comentário:

Butterflyfly Blue disse...


MUITO BEM REPRESENTADO,O ROMANTISMO

PORTUGUES,NESTE EXTRAORDINÁRIO POEMA

DE ALMEIDA GARRETT..

BOA ESCOLHA!!!!!!!!

GOSTEI

BEIJOS