Seguidores

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Laura Santos









   Sinto a tua falta

                                        quando
                                        no mofo dos dias
                                        os braços da aurora me acordam
                                        e do peito uma ave se solta em voo de luz
                                        em direcção à nora
                                        onde os meus olhos bebem a manhã
                                        na névoa do velho alcatruz.

                                        Quando
                                         os raios do meio-dia escorrem
                                         pelas paredes num lamento
                                         e o calor refugiado na sombra
                                         não me refresca o pensamento
                                         na hora dorida que se arrasta
                                         sem vontade de morrer na lonjura
                                         que de ti me afasta.
                                         E é vertical a tua lembrança
                                         caindo a prumo. Transportando
                                         para as masmorras da esperança
                                         a escuridão da noite e a voz 
                                         que permanece muda
                                         no atalho da distância.
                                         O brilho das coisas raras esconde-se 
                                         na seiva dos lírios e num desejo
                                         feito cobiça de águas invioladas
                                         onde se atrevem temerários sonhos;
                                         os últimos sobreviventes
                                         do amor e da morte. Reféns
                                         suspensos de grandes asas
                                         que se despenham fazendo estremecer
                                         os alicerces dos homens e das casas.
                                         Apanho-os do chão, labareda feita água
                                         na plenitude do nada, dura solidez
                                         em que me sinto e me distraio
                              
                                         quando
                                         atravesso o rio e os meus passos
                                         lentamente marginais
                                         não alcançam como dantes
                                         os desígnios dos espaços siderais
                                         e uma nota em dó menor
                                         atormenta o sono das pedras.

                                        Quando
                                         ao cair da tarde uma folha seca
                                         soa em corrupio no vento
                                         e desaparece sem o regresso 
                                         do sol ao firmamento.   




                                         Laura Santos   



NE ME QUITTE PAS  : 
  Composta  e cantada por Jacques Brel em 1959, "Ne Me Quitte Pas" é segundo o autor, uma canção não sobre o amor mas sobre a cobardia dos homens. Neste caso sobre a sua própria cobardia em relação a Suzanne Gabriello.     


                                   




Miguel Torga






Recomeça….


 

Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.
E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…
Miguel Torga

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Eugénio de Andrade







Retrato Ardente



No teu peito
é que o pólen do fogo
se junta à nascente,
alastra na sombra. 
Nos teus flancos
é que a fonte começa
a ser rio de abelhas,
rumor de tigre. 
Da cintura aos joelhos
é que a areia queima,
o sol é secreto,
cego o silêncio. 
Deita-te comigo.
Ilumina meus vidros.
Entre lábios e lábios
toda a música é minha

Eugénio de Andrade    



Foto de Hamilton Ramos Afonso -poesia.


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Bruno de Paula









ÉS ...


 Não tenho em mim a solidão.
Apenas o desejo de teu corpo
e do perfume das flores.

Desejo de tocar-te com meus olhos.
Partilhar meu mundo.
Caminhar pelo teu.

Ter o céu aos meus pés,
quando em pensamento,
me chegas sorrindo.

És, meu porto seguro.
Meu norte.
Meu destino em mar calmo e bravio.

És, a pele que me aquece.
A brisa que me conforta.
O silêncio que me seduz.

És, a alegria de um dia de chuva.
Meu poema inacabado.
Alma que me sente ...   



Bruno de Paula  

Foto de Hamilton Ramos Afonso -poesia.
      


terça-feira, 17 de janeiro de 2017

alexandre o'neill








HÁ PALAVRAS QUE NOS BEIJAM

Há palavras que nos beijam...
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.   


alexandre o'neill


in No Reino da Dinamarca(1958)     



Foto de Hamilton Ramos Afonso -poesia.


domingo, 15 de janeiro de 2017

Orlando Zabelo








Sou o que sou
sem mas nem porquês
sou o que sou
sem defeitos nem virtudes
apenas com os meus eus...
sem me julgar
não modifico
não transformo
mas sou o que sou
sou eu e nada mais
apaixonado no que me fascina
fraco na decepção
sou eu nas minhas vertentes
sou apaixonado
sou crente
sou eu
sou
sou tudo o que vês
e o que não vês
sou humano
e sinto
sinto magoa
sinto amor
sinto
amo até ao infinito
não sei ser de outra forma
sou de extremos
sou de tudo e de nada
sou o que sou 
sou apenas eu
sem mas nem porquês
mas sou
eu e sempre
apenas eu
e sinto   




Orlando Zabelo    

Foto de Orlando Zabelo.


Eugénio de Andrade









Não canto porque sonho





Não canto porque sonho.
Canto porque és real.
Canto o teu olhar maduro,
O teu sorriso puro,
A tua graça animal.
Canto porque sou homem.
Se não cantasse seria
somente um bicho sadio
embriagado na alegria
da tua vinha sem vinha.
Canto porque o amor apetece.
Porque o feno amadurece
nos teus braços deslumbrados.
Porque o meu corpo estremece
Por vê-los nus e suados.   




Eugénio de Andrade    

Foto de Hamilton Ramos Afonso -poesia.