Seguidores

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

A FORÇA DO AMOR



CORRIDA INFINITA

Todas as vezes que te procurava
Era para correr como um desesperado
Atrás de uma sombra que sempre corria mais.
Era uma corrida contínua e sem esperança
Ainda mais que uma voz me perseguia
Gritando com feroz autoridade
Que seria melhor esquecer antes que fosse tarde,
Mas, teimosamente, ainda assim persistia
E nem a corrida nem o pesadelo acabava
E lembro que era a vida que acabava
Sem que jamais conseguisse te esquecer.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Chovia... chovia...



Naquela tarde, como chovia!

Me lembro de que a chuva caía
lá fora
sem parar,
e seu surdo rumor até parecia
um sussurro de quem chora
ou uma cantiga de embalar...

Me lembro que tu chegaste
inquieta, ansiosa,
mas logo te aconchegaste
em meus braços, quietinha...
(...enrodilhada como uma gatinha...)

E eu quase não sabia o que fazer:
se de encontro ao meu peito te deixava adormecer...
se te mantinha acordada, para seres minha...

Me lembro que chovia... chovia sem parar...
E que a chuva caía a turvar as vidraças
anoitecendo o quarto em seus tons baços...

Me lembro de que te sentia
aconchegada em meus braços...

Me lembro que chovia...
E de que era bom porque chovia,
e porque estavas ali, e porque eu te queria...
Sim, me lembro que tudo era bom...
E que a chuva caía, caía,
monótona, sem parar,
naquele mesmo tom...

Naquela tarde, amor, como chovia!

Agora, quando longe de ti, nem sou mais eu
em minha melancolia,
não posso mais ouvir a chuva cair
que não fique a lembrar tudo o que aconteceu
naquele dia...

Naquele dia...
enquanto chovia...

J. G. de Araújo Jorge

Imagem retirada do Google

Etiquetas:


De Webclub

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Canção popular

Todo poeta verdadeiro é um monstro.
Que destrói pessoas com o seu discurso.
O seu canto eleva uma técnica que aniquila
A terra para que não nos devorem os vermes
O bêbado vende seu casaco.
O ladrão vende sua mulher.
Apenas o poeta vende sua alma para separá-la
Do corpo que ama

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

CHUVA E PREGUIÇA




A VIDA ME LEVA


Na cidade cinza
Num fim de tarde nebuloso
Onde o futuro
Tanto faz
Como tanto fez
Os velhos prédios assistem
As chaminés que tristes persistem
Soltando fumaça
Como sonhos que se vão.
Uma mulher de cabelos vermelhos,
Por contraste,
Me oferece a ilusão do amor
E, por falta do que fazer e frio,
Sigo o caminho da vida
Como uma folha no rio.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Mas gosto mesmo......

FIM DE SETEMBRO

Pretensão

Eu queria gostar de você
Com o sentimento dos jardineiros
Que cultivam rosas sem pensar
No tempo que vai embora.

Eu queria gostar de você
Sem que a passagem das horas
Me desse este temor de que o amanhã
Nunca vá acontecer
Senão como tempo inexistente

Eu queria gostar de você
Tão calmamente
Que o tempo resolvesse parar
Como única forma de respeitar
A significação de um amor
Que tem tudo de vulcão
E desliza como manso rio.

Eu queria gostar de você
Como gosto:
Por puro desafio

domingo, 9 de novembro de 2008

UMA POETISA ARGENTINA

Dame tu brazo, amor, y caminemos,

Julia Prilutzky

Dame tu brazo, amor, y caminemos,
dame tu mano y sírveme de guía.
Ya no quiero saber si es noche o día:
mis ojos estánciegos.Avancemos.
Dame tu estar, amor, en los extremos,
tu presencia y tu infiel sabiduría:
por los caminos de la sangre mía
ya no sé si es que vamos o volvemos.
Y no me digas nada. No es preciso.
Deja que vuelva al pórtico indeciso desde donde no escucho ni presencio:
Todo fue dicho ya, tan a menudo,
que ahora tengo miedo, amor, y dudo
de aquello que está al borde del silencio.

Dá-me teu braço, amor, e caminhemos

Dá-me teu braço, amor, e caminhemos,
Dá-me tua mão e serve-me de guia
Já não quero saber se é noite ou dia:
Meus olhos são cegos. Avancemos.

Da-me teu ser, amor, com teus extremos,
Tua presença e tua infiel sabedoria:
Pelas modos que meu sangue se esvaía
Já não sei se vamos ou se voltamos.

E não me digas nada. Não é preciso.
Deixa que eu volte ao portão indeciso
De onde não te escuto nem te presencio:

Tudo foi dito já, assim tão repetido,
Que agora tenho medo, amor, e duvido
Daquilo que está à beira do silêncio.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

O risco de dizer que ........

NÃO SE APRESSE....


Paixão adormecida

O risco de dizer que te amo é enorme.
Dentro de mim um dragão de prazer dorme.

Lamento a santa inocência de teu olhar
Que, sem mim, não há de saber o que é gozar.

E rio dos que, inutilmente, te cortejam.
Sei que somente os mosquitos te beijam.

E sei também que a paixão adormecida
Mais cedo ou mais tarde há de criar vida.

Na espera só choro as horas perdidas.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

O coração dentro de mim....

E não pode esperar o coração



Toda a lua e claridade
assim te quero, assim te vejo
e se te vejo o amor invade
meu corpo inteiro e o deixa aceso
e se te vejo o amor em mim
é um cheiro morno de jardim
A tua dor doendo em mim
é um rio latejando aceso
sou um cantareiro no jardim
do sonho em que te quero e vejo
primaveras de claridade
na primavera que me invade
Toda nua és um rio aceso
de primavera e claridade
mas quero mais do que o que vejo
sentindo a angústia que me invade
esse amor que doendo em mim
arde em silêncio no jardim
Extinta a angústia que me invade
te sinto perto e junto a mim
mais do que amar a claridade
amo teu cheiro de jardim
por isso à noite durmo aceso
no dia em que te sinto e vejo.
Teu coração é um jardim
tremulando na claridade
mesmo quando doendo em mim
também é a angústia que me invade
porque no dia em que te vejo
teu corpo dorme em mim aceso
No fundo dos teus olhos vejo
longe da angústia que me invade
como o amor doendo aceso
é uma trança de claridade
o coração dentro de mim
dorme abrasado em teu jardim.

Jaci Bezerra

Foto:Stanmarek

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Responde......

Soneto



Não pode Amor por mais que as falas mude
exprimir quanto pesa ou quanto mede.
Se acaso a comoção falar concede
é tão mesquinho o tom que o desilude.

Busca no rosto a cor que mais o ajude,
magoado parecer aos olhos pede,
pois quando a fala a tudo o mais excede
näo pode ser Amor com tal virtude.

Também eu das palavras me arreceio,
também sofro do mal sem saber onde
busque a expressão maior do meu anseio.

E acaso perde, o Amor que a fala esconde,
em verdade, em beleza, em doce enleio?
Olha bem os meus olhos, e responde.

António Gedeão

Foto:Piotr Kowalik

De WebClub

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Embora.....

Frases



"Alguém que me procure tem de começar-e de se ficar-pelas palavras."


Ruy Belo

Foto:Stanmarek

domingo, 26 de outubro de 2008

Faz-me o favor



Faz-me o favor de não dizer absolutamente nada!
Supor o que dirá
Tua boca velada
É ouvir-te já.

É ouvir-te melhor
Do que o dirias.
O que és nao vem à flor
Das caras e dos dias.

Tu és melhor -- muito melhor!--
Do que tu. Não digas nada. Sê
Alma do corpo nu
Que do espelho se vê.

Mário Cesariny

Foto:Fernando Amaral
postado por wind de WebClub

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

À beira de água



Estive sempre sentado nesta pedra
escutando, por assim dizer, o silêncio.
Ou no lago cair um fiozinho de água.
O lago é o tanque daquela idade
em que não tinha o coração
magoado. (Porque o amor, perdoa dizê-lo,
dói tanto! Todo o amor. Até o nosso,
tão feito de privação.) Estou onde
sempre estive: à beira de ser água.
Envelhecendo no rumor da bica
por onde corre apenas o silêncio.

Eugénio de Andrade

Foto:Richard Larrios

Etiquetas:

postado por wind de WebClub

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Crime



Testemunhas: as quatro paredes.
Local do crime: a cama.
Réus: eu e você.
Crime cometido: amor louco e desenfreado,
Amor sem limites,
Amor em todas suas formas possíveis,
Em todas as formas em que éramos compatíveis.

Acoplados com a perfeição de dois módulos espaciais,
Onde qualquer erro milimétrico,
Compromete o sucesso da missão...

Missão cumprida...

A missão foi um sucesso total,
Pois dois corpos tornaram-se um!
Não mais existia eu e você,
Mas, sim, eu-você...

Cometemos um crime perfeito!

Simone Barbariz

Foto:Basil Gromov

Etiquetas:



De: webClub

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Alexandre O'neill - Gaivota




Gaivota



Se uma gaivota viesse
trazer-me o céu de Lisboa
no desenho que fizesse,
nesse céu onde o olhar
é uma asa que não voa,
esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se um português marinheiro,
dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro
a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho
no meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
morreria no meu peito morreria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde perfeito
bateu o meu coração.



Alexandre O'neill (Poeta português, 1924-1986)


Ps.
Para ti pelos teus anos . Felicidades neste teu dia. Parabens
Meu amor na tua mão e para sempre.... beijo

Para que se saiba;


Muitos dos poemas que aqui " coloco " são retirados do

Link ...http://wind9.blogspot.com ( WebClub ) na integra.

Obrigado WIND e as minhas desculpas , pela incorrecção.

domingo, 19 de outubro de 2008

escuto mas.....

Escuto



Escuto mas não sei
Se o que oiço é silêncio
Ou deus

Escuto sem saber se estou ouvindo
O ressoar das planícies do vazio
Ou a consciência atenta
Que nos confins do universo
Me decifra e fita

Apenas sei que caminho como quem
É olhado amado e conhecido
E por isso em cada gesto ponho
Solenidade e risco.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Foto:Yuri Bonder

sábado, 18 de outubro de 2008

Hás-de ser........

João Penha - Jura



Quando ao ver-te aborrecida,
Em teu sofá recostada,
Te propus, com voz magoada,
Consagrar-te a alma e a vida,

Uma proposta sentida,
Recebeste-a à gargalhada!
E logo eu disse: coitada!
Estás de todo perdida!

Como na boca do sapo
Se vai meter a doninha,
Hás-de cair-me no papo.

Não me escapas, avesinha:
Não me tenho por guapo,
Mas, que importa? Hás-de ser minha!



João Penha (Poeta português, 1838 - 1919)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Quando ela......

Abdias Sá - Os Sonhos



Os Sonhos



De repente acordo e vejo bem perto
De mim, colado quase ao meu, desnudo,
Também, cansado, inerte no veludo,
O corpo dela, sem censura, aberto

O coração, de sentimento incerto,
Às vezes, mesmo, indiferente a tudo.
De tanto vê-la assim me desiludo
E me entristeço sempre que desperto.

Sem esperança de acordar com ela,
Eu fico preso ao meu amor constante
E paro, e penso e sinto, num instante,

Quando ela dorme, assim, imóvel, bela:
...Eu dos seus sonhos estou tão distante,
Que nem parece que estou junto dela.



Abdias Sá (Poeta brasileiro), escrito em João Pessoa, 1981.


Foto de Bina Engel

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Aqui vá um suspiro por........

Jorge Carrasco - Poema de amor nocturno



Foto: Fernanda Fronza



Pero contágiate de mí, prueba mis jugosas flechas,
pon mi pátina de oro trémulo en tus riberas,
tus malezas ábreme para hallar el tibio nido:
busco tu sótano para morir en la sombra que supura.
Elige, amada, mi estocada final, di adiós a tu vida
en tres minutos, muere, muere de una vez
bajo mi hirviente cauce, sobre el olvido
de quien es en este segundo un inmenso latido de guitarra.
Vamos, pues, prepara el suspiro, el aullido
que te salva del ahogo inmemorial, el aleteo
ondulante que hiere todos los aires, todas las formas,
todo lo que cae en el temblor y no regresa.
Vamos, escúdate en tu lengua, en la tos rauda
de las sabandijas escapadas de tus miembros:
aquí va un suspiro crispado con miles de espadas
de mi centro altivo a tu centro suplicante.




Jorge Carrasco (Poeta e escritor Chileno)

O sol rompeu......

Albano Martins - Tu choravas e eu ia apagando






Tu choravas e eu ia apagando
com os meus beijos os rastos das tuas lágrimas
- riscos na areia mole e quente do teu rosto.
Choravas como quem se procura.
E eu descobria mundos, inventava nomes,
enquanto ia espremendo com as mãos
o meu sangue todo no teu sangue.

Não sei se o mundo existia e nós
existiamos realmente.
Sei que tudo estava suspenso,
esperando não sei que grave acontecimento,
e que milhares de insectos paravam e
zumbiam nos meus sentidos.
Só a minha boca era uma abelha inquieta
percorrendo e picando o teu corpo de beijos.

Depois só dei pela manhã,
a manhã atrevida,
entrando devagar, muito devagar e
acordando-me.
Desviei os meus olhos para ti:
ao longo do teu corpo morriam as estrelas.
A noite partira. E, lentamente,
o sol rompeu no céu da tua boca.




Albano Martins (Poeta português, 1930- )

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

E somos.......

Dois amantes felizes não têm fim nem morte



Dois amantes felizes não têm fim nem morte,
nascem e morrem tanta vez enquanto vivem,
são eternos como é a natureza.

Pablo Neruda

Imagem daqui

Contigo......

Ecloga



Sonhei
contigo embora nenhum sonho
possa ter habitantes, tu a quem chamo
amor, cada ano pudesse trazer
um pouco mais de convicção a
esta palavra. É verdade o sonho
poderá ter feito com que, nesta
rarefacção de ambos, a tua presença se
impusesse - como se cada gesto
do poema te restituísse um corpo
que sinto ao dizer o teu nome,
confundindo os teus
lábios com o rebordo desta chávena
de café já frio. Então, bebo-o
de um trago o mesmo se pode fazer
ao amor, quando entre mim e ti
se instalou todo este espaço -
terra, água, nuvens, rios e
o lago obscuro do tempo
que o inverno rouba à transparência
da fontes. É isto, porém, que
faz com que a solidão não seja mais
do que um lugar comum saber
que existes, aí, e estar contigo
mesmo que só o silêncio me
responda quando, uma vez mais
te chamo.

Nuno Júdice

Foto:Dennis Mecham

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Nós fomos.....

Poema vertical



Abrimos os corpos. Rasgámos silêncios.
Na mesma vertigem nós fomos o espaço
Nós fomos a sede
Nós fomos a fonte
Abrimos distâncias. E tudo inventámos.
A vida e a morte num gesto de febre
subiam em compasso
em tempo de espera
E a luta
E a raiva
Nas nossa artérias um sangue mais quente
e o teu movimento em ritmo louco
E a minha renuncia de não ser mais eu. De ser o teu corpo. De ser a tua
carne
Baloiço de membros
de pernas e braços
Mulher que eu embalo
que guardo em meu ventre
que bebe de mim
a quem eu me dou
de quem me alimento
Mulher incarnada
na minha loucura
Um grito. Uma pausa. Um gesto mais lento.
E a vida a esvair-se
num estertor da morte
Depois o cansaço no espasmo da noite
E nós renascidas
E livres no tempo.

Manuela Amaral

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Eu sei, não te conheço, mas existes ...



Eu sei, não te conheço mas existes.
por isso os deuses não existem,
a solidão não existe
e apenas me dói a tua ausência
como uma fogueira
ou um grito.

Não me perguntes como mas ainda me lembro
quando no outono cresceram no teu peito
duas alegres laranjas que eu apertei nas minhas mãos
e perfumaram depois a minha boca.

Eu sei, não digas, deixa-me inventar-te.
não é um sonho, juro, são apenas as minhas mãos
sobre a tua nudez
como uma sombra no deserto.
É apenas este rio que me percorre há muito e desagua em ti,
Porque tu és o mar que acolhe os meus destroços.
É apenas uma tristeza inadiável, uma outra maneira de habitares
Em todas as palavras do meu canto.

Tenho construído o teu nome com todas as coisas.
tenho feito amor de muitas maneiras,
docemente,
lentamente
desesperadamente
à tua procura, sempre à tua procura
até me dar conta que estás em mim,
que em mim devo procurar-te,
e tu apenas existes porque eu existo
e eu não estou só contigo
mas é contigo que eu quero ficar só
porque é a ti,
a ti que eu amo.


Joaquim Pessoa

domingo, 12 de outubro de 2008

Arde.......

Natália Bonito - Apaixonantes Sensações



Arde em mim a sensação
Dos minutos sem fim
Como se tudo fosse inspiração
Doce, com sabor a jasmim,
Como se eu fosse alma e coração
E tu pedaço de mim.

Clamo a evidência perfeita
Dos abraços ancorados
Na submissão desfeita
Pelo poder dos corpos suados
Que em cada palavra eleita
Oferecem poemas amados.

Olho o infinito da escuridão
Nesta noite de calmaria,
E sonho com a tua mão
Estendida na periferia
Do meu latente coração
Num gesto de sintonia.

Por instantes, sinto o teu respirar
Bem perto da liberdade
Que a minha mente teima em traçar
Com purpurina e vaidade
Na esperança de ver chegar
O momento da feliz verdade.

E vejo-te, ao longe, a sorrir…
Aproximas-te com lentos passos
Regateando as flores por abrir
Com gestos delicados e rasos
Que fazem lembrar notas a cair
Na pauta musical dos abraços.

És tu, apaixonante,
A vida do meu respirar;
És tu, meu amante,
Alma límpida por amar,
Rosto marcante
Que teima em ficar.



Natália Bonito (Poetisa portuguesa que publica no Estradas Repletas)

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Na tua boca....


Transparências



Na tua boca sem dizer uma palavra
Soletrei em todas as línguas a palavra amor
Sobre a tua pele desenhei, sem saber desenhar
Todos os contornos que tem o prazer
E por ser silêncio a palavra foi mais pura
E por ser transparente o gesto ficou gravado

Poema: Encandescente

Foto:Pedro Gomes

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Ouve como ele corre....

O Vento na Ilha



O vento é um cavalo
Ouça como ele corre
Pelo mar, pelo céu.
Quer me levar: escuta
como recorre ao mundo
para me levar para longe.

Me esconde em teus braços
por somente esta noite,
enquanto a chuva rompe
contra o mar e a terra
sua boca inumerável.

Escuta como o vento
me chama calopando
para me levar para longe.

Com tua frente a minha frente,
com tua boca em minha boca,
atados nossos corpos
ao amor que nos queima,
deixa que o vento passe
sem que possa me levar.

Deixa que o vento corra
coroado de espuma,
que me chame e me busque
galopando na sombra,
entretanto eu, emergido
debaixo teus grandes olhos,
por somente esta noite
descansarei, amor meu.

Pablo Neruda

Foto:Sonja Rasche

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

És o sonho feito carne.....

António Cardoso - Árvore de Frutos



Foto: Pascal Renaux



Cheiras ao caju da minha infância
e tens a cor do barro vermelho molhado
de antigamente;
há sabor a manga a escorrer-te na boca
e dureza de maboque a saltar-te nos seios.

Misturo-te com a terra vermelha
e com as noites
de histórias antigas
ouvidas há muito.

No teu corpo
sons antigos dos batuques á minha porta,
com que me provocas,
enchem-me o cérebro de fogo incontido.

Amor, és o sonho feito carne
do meu bairro antigo do musseque!



António Cardoso (Poeta Angolano)

VOCÊ É.....

Você é...

Você é...a água fresquinha

que chega matando a sede.

Você é...o alimento saudável

que sustenta e fortifica.

Você é...o ar

que recupera uma vida.

Você é...o remédio

que alivia uma dor.

Você é...o raio de sol

que aquece, nos dias de inverno.

Você é...o arco-íris

que surge depois da borrasca.

Você é...o aroma das flores,

nas manhãs de primavera.

Você é...o canto dos passarinhos,

nos telhados, em final de tarde.

Você é...aquele presente

que chega sem ser esperado.

Você é...a emoção gostosa

que faz o coração bater mais forte.

Você é...o único motivo

que me faz crer, que ainda vale a pena viver!

Silvia Munhoz

12/10/2000

Nota ..

Poema de : Silvia Munhoz

Texto: Direitos Autorais Reservados

sábado, 4 de outubro de 2008

Amar é pensar......

Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela



Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela,
E vendo-a sempre de maneiras diferentes do que a encontro a ela.
Faço pensamentos com a recordação do que ela é quando me fala,
E em cada pensamento ela varia de acordo com a sua semelhança.
Amar é pensar.
E eu quase que me esqueço de sentir só de pensar nela.
Não sei bem o que quero, mesmo dela, e eu não penso senão nela.
Tenho uma grande distracção animada.
Quando desejo encontrá-la
Quase que prefiro não a encontrar,
Para não ter que a deixar depois.
Não sei bem o que quero, nem quero saber o que quero. Quero só
Pensar nela.
Não peço nada a ninguém, nem a ela, senão pensar.

Alberto Caeiro

Foto:Yuri B

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Diz a mim diz....

Diz



Diz-me que quando não estou
O tempo anda ao contrário
E que o teu calendário
Só tem dos dias
Os dias em que sou.
Diz-me que sem mim
É sempre noite escura
E que sol e lua se ausentam
Dos sítios onde não estou.
Diz-me que morres
No momento em que parto
E que se voltas à vida
É porque vida te dou.
Diz-me do amor as palavras mais absurdas
Se mas disseres na boca
Serão todas elas verdades.

Encandescente, in"Erotismo na Cidade", pág.48, Editora Polvo

Foto:Margarida Delgado

Etiquetas:

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Tua cheiras a........

Manuela Amaral



TEU CORPO DE AGOSTO

Teu corpo é Agosto

Tu cheiras a verão
por baixo das veias

Tu cheiras a quente

Tu cheiras à febre
do sangue maduro

Teu ventre de orgia
teu cheiro a sodoma
aroma-mulher

Teu corpo de agosto
tem cheiro a setembro.

*

MARÉS VIVAS

Na praia teu corpo
eu sou maré cheia

Em ondas de medo
rebento-me azul

e bebo-te areia

Foto:Victor Melo

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

OBSESSÃO

Por que, de manhã, assim que acordo,

é de você que eu me recordo?

Por que, olhando o dia que amanheceu,

fico só lembrando como tudo aconteceu?

Por que, no som do telefone tocando,

quero que seja você me chamando?

Por que, toda música que fico ouvindo,

é você que acabo sentindo?

Por que, na campainha insistente,

desejo que seja você, de presente?

Por que, ao sair na rua,

procuro nos rostos, sempre a fisionomia sua?

Por que, no carro que de repente buzina,

fico achando que é você na esquina?

Por que, vendo um filme, um beijo na TV,

desejo ansiosamente que seja com você?

Por que, na tarde que cai, com o sol no horizonte,

ajo como se fosse o desfecho dourado,

de mais um dia feliz como o de ontem?

Por que, será que eu sinto de montão,

essa gostosa obsessão?

Será que tudo isso é porque

eu amo demais você?!


DE: SÍLVIA MUNHOZ



terça-feira, 30 de setembro de 2008

Por fora por dentro....

Momento



Chegado o momento
em que tudo é tudo
dos teus pés ao ventre
das ancas à nuca
ouve-se a torrente
de um rio confuso
Levanta-se o vento
Comparece a lua
Entre linguas e dentes
este sol nocturno
Nos teus quatro membros
de curvos arbustos
lavra um só incêndio
que se torna muitos
Cadente silêncio
sob o que murmuras
Por fora por dentro
do bosque do púbis
crepitam-me os dedos
tocando alaúde
nas cordas dos nervos
a que te reduzes
Assim o momento
em que tudo é tudo
Mais concretamente
água fogo música

David Mourão-Ferreira

Foto:Zensen

domingo, 28 de setembro de 2008

Venhas com venhas....

Affonso Romano de Sant'Anna - Poemas para a amiga (Fragmento 3)



É tão natural
que eu te possua
é tão natural que tu me tenhas,
que eu não me compreendo
um tempo houvesse
em que eu não te possuísse
ou possa haver um outro
em que eu não te tomaria.
Venhas como venhas,
é tão natural que a vida
em nossos corpos se conflua,
que eu já não me consinto
que de mim tu te abstenhas
ou que meu corpo te recuse
venhas quando venhas.

E de ser tão natural
que eu me extasie
ao contemplar-te,
e de ser tão natural
que eu te possua,
em mim já não há como extasiar-me
tanto a minha forma
se integrou na forma tua.



Affonso Romano de Sant'Anna (Poeta e Jornalista Brasileiro, 1937- )

sábado, 27 de setembro de 2008

Se te posso pedir.....

A meias



Bebo o meu café enquanto bebes
do meu café. Intriga-me que faças isso.
Se te posso pedir um
(se podes tomar um igual)
porque hás-de querer do meu?
Que
não. Que não queres. Escuso
de pedir
que não queres. Então
começo
um cigarro e tu fumas do
meu cigarro dizes
«tenho quase a certeza de
não acabar um sozinha» por isso
fumas do meu. Dá-te
gozo esse roubar
de
leves goles furtivos
dá gozo participar
do prazer que eu possa ter
contigo
(e entre nós)
dá-se agora tudo
a meias.

João Luís Barreto Guimarães

Imagem daqui

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Procurando sentir....

Paulo Afonso Ramos - Momento



Foto: Angela Berlinde



Toco nos teus cabelos de solidão
com os meus dedos enfeitiçados de amor
procurando sentir a tua candura
e encontro-te, incerta, coberta de paixão
postada nua e incrivelmente pura
liberta, assim, de qualquer ignóbil dor.
Toco no teu rosto cândido
de uma imensa expressão
reflectido, por vezes, perdido
outras vezes lavado em emoção.
Toco no teu corpo sedento
construindo o nosso momento
que guardaremos no baú da recordação.
Toco num só corpo onde cresce o querer
confundo os corpos unidos pela vida
somos um só para amadurecer.
Cruzados num tempo da razão
descobrimos um só caminho
e é nesse momento que o percorremos devagarinho.



Paulo Afonso Ramos (Poeta Português que publica aqui)

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Por ti........

Fanatismo




Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isso, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus:Princípio e Fim!..."


Florbela Espanca

Foto:Alexandre T.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Doce......

Aparição amorosa



Doce fantasma, por que me visitas
como em outros tempos nossos corpos se visitavam?
Tua transparência roça-me a pele, convida
a refazermos carícias impraticáveis: ninguém nunca
um beijo recebeu de rosto consumido.

Mas insistes, doçura. Ouço-te a voz,
mesma voz, mesmo timbre,
mesmas leves sílabas,
e aquele mesmo longo arquejo
em que te esvaías de prazer,
e nosso final descanso de camurça.

Então, convicto,
ouço teu nome, única parte de ti que não se dissolve
e continua existindo, puro som.
Aperto... o quê? a massa de ar em que te converteste
e beijo, beijo intensamente o nada.
Amado ser destruído, por que voltas
e és tão real assim tão ilusório?
Já nem distingo mais se és sombra
ou sombra sempre foste, e nossa história
invenção de livro soletrado
sob pestanas sonolentas.
Terei um dia conhecido
teu vero corpo como hoje o sei
de enlaçar o vapor como se enlaça
uma ideia platónica no espaço?

O desejo perdura em ti que já não és,
querida ausente, a perseguir-me, suave?
Nunca pensei que os mortos
o mesmo ardor tivessem de outros dias
e no-lo transmitissem com chupadas
de fogo aceso e gelo matizados.

Tua visita ardente me consola.
Tua visita ardente me desola.
Tua visita, apenas uma esmola.

Carlos Drummond de Andrade visto no Palavras D'Ouro

Foto:Ben Heys

Etiquetas: