Seguidores

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Dádiva




Não me peçam palavras melífluas
quando apenas a sonora gargalhada
me irrompe do peito como pedra lascada
nem sorrisinhos de catálogo de moda
quando o mijar numa esquina da cidade
é um acto poético e cheira a vida
não me peçam gestos simétricos e convencionais
quando um cosmopolítico manguito
abarca toda a náusea
de Bordalo a Pasolini
Não me peçam nunca aquilo que vós quereis
porque eu dou apenas aquilo que possuo
e que é esta raiva enorme de cuspir
esta feroz vontade de gritar
e o sexo amplo enorme e predisposto
a fertilizar o amor em todas as esquinas
peçam-me a mim
nada mais
e dar-vos-ei tudo o que possuo
o suor o sangue o sexo
EU
e comigo dar-vos-ei o homem primitivo
o que recusa a civilização do marketing
o que caga nas gravatas dos public-relations
mas que aposta no futuro único do
CRESCEI E MULTIPLICAI-VOS
Sim peçam-me a mim
Tomai e comei

ESTE É O MEU CORPO

Fernando Peixoto

Foto:Solatges Irina

sábado, 28 de abril de 2012

O mínimo de nós dois




No pequeno espaço

Model (II)

entre teu olhar e o meu
brilha a estrela do desejo
que nos guia um para o outro

Na ausente distância
entre teus lábios e os meus
brincam e fundem-se os hormônios
da nossa química mais secreta

No mínimo silêncio
onde somente nossos corpos falam
deslizam mãos em carícias
de tatos cegos que tudo dizem

No fugaz e eterno momento
da consumação de nosso amor
gritam gargantas no gozo do prazer
da quase dor desse explodir...

Camila Sintra

sexta-feira, 27 de abril de 2012

quinta-feira, 26 de abril de 2012

imaginação....

Quando te sentas perto de mim, tudo o que quero é silêncio...que os teus braços me conheçam, que os teus gestos surpreendam as palavras não ditas, apenas pensadas...entre os dedos o perfume de um beijo...entre um beijo uma doce troca de olhares...um pensamento distante...porque não? Um copo de vinho, a Lua à janela...cabelos molhados, corpo rasgado de pudor, distraído pelo cheiro do mar, que encantado se envolve de areia...solidão, quando fechas a porta dizendo que um dia vais voltar...talvez sim...talvez não...não importa...apenas importa que te senti em mim...mesmo nunca tendo estado aqui...


Nota: roubado de um blog....

Desespero

Imagem de um olho saudável


Não eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os lábios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.
Não eram meus os dedos que tocaram
Tua falsa beleza, em que não vi
Mais que os vícios que um dia me geraram
E me perseguem desde que nasci.
Não fui eu que te quis. E não sou eu
Que hoje te aspiro e embalo e gemo e canto,
Possesso desta raiva que me deu
A grande solidão que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o espermen que te dou, o desespero.

José Carlos Ary dos Santos

terça-feira, 24 de abril de 2012

Engraçado...


Escreva o seu nome sem batota. Clique no postal, aguarde e vai ver que vale a pena.

Clique no link e escreva o seu nome.
Aguarde alguns segundos para carregar.



http://www.obtampons.ca/apology

De: helena guimaraes

Título: CAVALGAMOS O SONHO
 CAVALGAMOS O SONHO
Descrição:

Espelhos de sol

no mar

a cobrir-me de um torpor

de acordar.

Tua força a desfazer

barreiras,

onda a voar

de espuma,

vento a varrer

o pensamento

no despertar

de um momento,

a preencher

sem razão alguma.

Ancorados

em coisa nenhuma

comungamos o tempo,

possuímos o infinito

com a intensidade

de um grito,

cavalgamos o sonho,

preso em nossa mão,

com a simplicidade

de um sim,

sem a amargura

de um não.

Bebemo-nos

sem esperas,

sem futuro

nem passado,

num misterioso

sonhar

deliciosamente

acordado.

H.G...Janeiro 2003

Não....

Título: NÃO!
 NÃO!
Descrição:

Não, não é desejo o que sinto!

É esta fome de ti

como se não houvesse caminho

para caminhar,

ar para respirar,

água para molhar-me

os lábios ávidos,

palavras para alimentar-me o dia,

brisa para refrescar-me

a alma esquiva,

um abraço para

velar-me o sono,

um canto para

o meu abandono,

nesta imensa caminhada

que é a minha vida.


De: helena guimaraes

domingo, 22 de abril de 2012

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Teu corpo claro e perfeito




Teu corpo claro e perfeito,

– Teu corpo de maravilha,
Quero possuí-lo no leito
Estreito da redondilha...

Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa... flor de laranjeira...

Teu corpo, branco e macio,
É como um véu de noivado...

Teu corpo é pomo doirado...

Rosal queimado do estio,
Desfalecido em perfume...

Teu corpo é a brasa do lume...

Teu corpo é chama e flameja
Como à tarde os horizontes...

É puro como nas fontes
A água clara que serpeja,
Quem em antigas se derrama...

Volúpia da água e da chama...

A todo o momento o vejo...
Teu corpo... a única ilha
No oceano do meu desejo...

Teu corpo é tudo o que brilha,
Teu corpo é tudo o que cheira...
Rosa, flor de laranjeira...

Manuel Bandeira

Foto:Miles Morgan

A mulher que passa




Meu Deus, eu quero a mulher que passa
Seu dorso frio é um campo de lírios
Tem sete cores nos seus cabelos
Sete esperanças na boca fresca!
Oh! como és linda, mulher que passas
Que me sacias e suplicias
Dentro das noites, dentro dos dias!

Teus sentimentos são poesia
Teus sofrimentos, melancolia.
Teus pelos leves são relva boa
Fresca e macia.
Teus belos braços são cisnes mansos
Longe das vozes da ventania.

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!

Como te adoro, mulher que passas
Que vens e passas, que me sacias
Dentro das noites, dentro dos dias!
Por que me faltas, se te procuro?
Por que me odeias quando te juro
Que te perdia se me encontravas
E me concontrava se te perdias?

Por que não voltas, mulher que passas?
Por que não enches a minha vida?
Por que não voltas, mulher querida
Sempre perdida, nunca encontrada?
Por que não voltas à minha vida
Para o que sofro não ser desgraça?

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!
Eu quero-a agora, sem mais demora
A minha amada mulher que passa!

Que fica e passa, que pacífica
Que é tanto pura como devassa
Que bóia leve como a cortiça
E tem raízes como a fumaça.


Vinícius de Moraes

Foto:Marta Glinska

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Arrojos






Se a minha amada um longo olhar me desse
Dos seus olhos que ferem como espadas,
Eu domaria o mar que se enfurece
E escalaria as nuvens rendilhadas.

Se ela deixasse, extático e suspenso
Tomar-lhe as mãos "mignonnes" e aquecê-las,
Eu com um sopro enorme, um sopro imenso
Apagaria o lume das estrelas.

Se aquela que amo mais que a luz do dia,
Me aniquilasse os males taciturnos,
O brilho dos meus olhos venceria
O clarão dos relâmpagos nocturnos.

Se ela quisesse amar, no azul do espaço,
Casando as suas penas com as minhas,
Eu desfaria o Sol como desfaço
As bolas de sabão das criancinhas.

Se a Laura dos meus loucos desvarios
Fosse menos soberba e menos fria,
Eu pararia o curso aos grandes rios
E a terra sob os pés abalaria.

Se aquela por quem já não tenho risos
Me concedesse apenas dois abraços,
Eu subiria aos róseos paraísos
E a Lua afogaria nos meus braços.

Se ela ouvisse os meus cantos moribundos
E os lamentos das cítaras estranhas,
Eu ergueria os vales mais profundos
E abateria as sólidas montanhas.

E se aquela visão da fantasia
Me estreitasse ao peito alvo como arminho,
Eu nunca, nunca mais me sentaria
Às mesas espelhentas do Martinho.

Cesário Verde

Foto:Yuri B

Tempos.....





Eu sempre soube da verdade em teus olhos.
O que eles me disseram mantive guardado,
fora do alcance das conversas.

Havia um tempo em que a despedida
principiava um outro encontro,
escondido dos olhos e das conversas.

Havia um tempo com um doce cheiro no ar
de todos os perfumes.
Uma busca constante do olhar,
um gosto a mais nas coisas...
Era batom!

E era depois a pele,
o deslizar dos cabelos,
o afago das mãos...

A casa cheia de nossas conversas,
dos modos, das esperas e demoras.
Uma vida em tantos acordar!

Era por fim um outro olhar,
sem mais as mesmas verdades
(embora nunca mentiras).
Mas sem as mesmas respostas.

Outras vozes agora falam no nosso silêncio.
Mudamos os rumos,
os olhares,
o sentido da conversa.

Celso Brito

Foto:Howard Schatz

Poema....





A minha vida é o mar o Abril a rua


O meu interior é uma atenção voltada para fora


(ec) 014

O meu viver escuta
A frase que de coisa em coisa silabada
Grava no espaço e no tempo a sua escrita

Não trago Deus em mim mas no mundo o procuro

Sabendo que o real o mostrará

Não tenho explicações

Olho e confronto
E por método é nu meu pensamento

A terra o sol o vento o mar

São a minha biografia e são meu rosto

Por isso não me peçam cartão de identidade

Pois nenhum outro senão o mundo tenho
Não me peçam opiniões nem entrevistas
Não me perguntem datas nem moradas
De tudo quanto vejo me acrescento

E a hora da minha morte aflora lentamente

Cada dia preparada


Sophia de Mello Breyner Andresen

quarta-feira, 18 de abril de 2012

terça-feira, 17 de abril de 2012

Acho que nunca verei algo melhor....

A que ponto de virtuosismo pode chegar o ser humano. Um casal de bailarinos beira a perfeição, conseguindo aliar todos os elementos indispensáveis:
equilíbrio, força, sincronia e, sobretudo, uma estética de plasticidade refinada.
Isso, para não lembrar o erotismo e a sensualidade que emanam das diversas posturas.

São sete minutos e vinte e seis segundos sem repetir um único gesto...

http://www.youtube.com/watch_popup?v=JGq4k8RMe9o

De: helena guimaraes


Título: PEDISTE-ME UM DIA UM POEMA
 PEDISTE-ME UM DIA UM POEMA
Descrição:

NÃO-POEMA

Pediste-me um dia um poema,

poema que fosse teu.

Como ave delicada

que agoniza quando presa,

o poema nasce na alma,

movimenta-nos o sangue

com a força do desejo,

humedece-nos os lábios

com a ternura de um beijo,

dança na bainhas dos versos,

plana nas asas da calma,

amordaçado, ele morre

se soletrado fenece.

Poema não compreendido

torna-se vago, emudece.

Procurei o teu poema

no abraço da entrega,

nas pegadas paralelas

de mãos dadas junto ao mar,

na cumplicidade da noite,

na comunhão de um olhar.

Só descobri versos vagos

dançando ao som do medo,

abandonos calculados,

a reserva e o segredo.

Pediste-me um dia um poema,

poema que fosse teu.

Mas nesses versos dispersos,

o poema se perdeu.

Não consegui e foi pena.

Poema não construído

torna-se num não-poema!

HG Junho 2004

O sonho e o medo de : helena guimaraes


Título: O SONHO E O MEDO
 O SONHO E O MEDO
Descrição:

A alma a esvoaçar

o espaço,

dedos a definir

imaginários

contornos,

o pensamento

submerso,

o sol aquietando-me

o peito,

neste sentir sem jeito,

sem razão,

num universo de sonho

a fluir na quietude

da tarde.

Sorvo o deleite

que invento,

embriago-me

no sentimento

para esquecer

o medo,

a angústia

da dúvida

que na razão

desperta

a cada

momento.


De: Helena Guimaraes

Janeiro 2003

segunda-feira, 16 de abril de 2012

domingo, 15 de abril de 2012

O TEMPO VOA



Marta Carvalho
surviving

Jim Chandler

the trick to
surviving
is not to
steel the body
to beat
the street tough
you can't
whip

but
to harden
the heart
to turn away
the thrusts
of pain
thrown by
soft hands
that once
touched lightly

with love

Sobrevivente

o truque para
sobrevivente
não é
ter o corpo de aço
para bater
na rua dura
como se fosse
um chicote

mas
para temperar
o coração
e se rebelar
dos eixos
da dor
só por meio de
mãos macias
que nos toquem
levemente

com amor...


De: posted by spersivo

Título: A VIDA PAROU

Título: A VIDA PAROU
 A VIDA PAROU
Descrição:

O sol brilha cálido

lá fora.

Hoje não o sinto!

Está tão distante

o velho que lê o jornal

junto ao quiosque.

A vida parou ontem.

Exactamente àquela hora.

Hoje é o vazio

e apesar do sol

está frio.

Vejo os outros,

longínquos,

a fruir a vida

sem tempo.

Eu estou dentro de mim,

com uma réstia de ti

no sentimento,

o teu olhar

no pensamento,

a tua imagem,

esbatida,

a cortar-me a ligação

com a vida..

H.G..Janeiro2003.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

CANTO AO AMOR OCULTO



Como um passarinho vivo
Criando um ninho para o meu amor...


.:BEAUTY:.


Hei de fazê-lo com as mais belas flores da floresta

e envolvê-lo com os mais doces cantos de outros pássaros
para cantar com os mais suaves sons que há.

Nem me importo de voar mais alto

Ou, de por longas distâncias, me cansar
Ou, se, na busca, venha a me machucar
Se os melhores e saborosos frutos recolher.

Só me importo, antes do luar aparecer, olhar seus olhos,

e cantar, no por do sol, o meu canto de glória,
pelo imenso amor que só posso ter

Que é mais belo ainda por ninguém perceber ....



De: posted by spersivo

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Um passeio com os pinguins imperador

http://www.youtube.com/watch_popup?v=SkY03n0_sD8&vq=medium

O pequeno sismo




Há um pequeno sismo em qualquer parte

ao dizeres o meu nome.
Elevas-me à altura da tua boca
lentamente
para não me desfolhares.
Tremo como se tivera
quinze anos e toda a terra
fosse leve.
Ó indizível primavera.


Eugénio de Andrade

Imagem retirada do Google

terça-feira, 10 de abril de 2012

RESSACA DO MAR



O dia amanheceu com gosto de cerveja.
As mãos ainda estremecidas
Buscaram a mulher que não havia
Ocupado a minha cama.

A cabeça pesada pesa menos que a vida desarrumada
E a lembrança do seu perfume e da pele macia
Que marcam sua ausência
Recorrente desejo que em mim ainda arde
Abrindo buracos no meu peito.

Um homem que navega à deriva
Ao sabor do vento não pode escolher
O porto para atracar.

O navio que sou
Navega por precisão
(apesar da imprecisão dos rumos)
Com o sentido único de que
Depois do mar
Nada há
Senão os lenços brancos do adeus
E a terra negra que cobre o esqueleto
Da nau inútil,

Ou seja,
Não há bússola, ou roteiro,
Capaz de modificar este navegar solitário.
E me entrego à cama confortável
Ainda mais sozinho

Para buscar o sono passageiro
Antes do sono eterno.



Posted by spersivo

Ás minhas amizades no Brasil e não só....

DESEJOS



·



Desejo a vocês...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho.
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.


Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Zurita de volta



Guárdame En Ti

Raúl Zurita

Amor mío: guárdame entonces en ti
en los torrentes más secretos
que tus ríos levantan
y cuando ya de nosotros
sólo que de algo como una orilla
tenme también en ti
guárdame en ti como la interrogación
de las aguas que se marchan
Y luego: cuando las grandes aves se
derrumben y las nubes nos indiquen
que la vida se nos fue entre los dedos
guárdame todavía en ti
en la brizna de aire que aún ocupe tu voz
dura y remota
como los cauces glaciares en que la primavera desciende.

Guarda-me em ti


Amor meu, guarda-me, então em ti
nos lugares mais secretos
que teus rios vão subir
e quando de nos dois
não sobrar algo mais que uma réstia
me guarda também em ti
guarda-me em ti como uma interrogação
das águas que correm.
E logo, quando os grandes pássaros
caírem e as nuvens nos indiquem
que a vida se foi entre os dedos
guarda-me, todavia, em ti
na brisa do ar que ainda ocupe a tua voz
dura e remota
como os fontes glaciais que, na primavera, descem.


Posted by spersivo

domingo, 8 de abril de 2012

2012 A par e passo




A par e passo passo neste espaço
abrindo a largos golpes largos espaços

e passas nos meus passos passo a passo
repassas em abraços os meus braços.

A peso peso os passos quando piso
os traços com que traço e já trespasso

o passeio nos lenços que desfaço
em lassos laços quando passas

como um punhal perdido em plena praça.

Joaquim Pessoa

Imagem retirada do Google

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Praia do Paraíso



Is there anybody out there?

Era a primeira vez que nus os nossos corpos
Apesar da penumbra à vontade se olhavam

Surpresos de saber que tinham tantos olhos
Que podiam ser luz de tantos candelabros

Era a primeira vez cerrados os estores
Só o rumor do mar permanecera em casa

E sabias a sal, e cheiravas a limos
Que tivesses ouvido o canto das cigarras

Havia mais que céu no céu do teu sorriso
Madrugada de tudo em tudo que sonhavas

Em teus braços tocar era tocar os ramos
Que estremecem ao sol desde que o mundo é mundo

É preciso afinal chegar aos cinquenta anos
Para se ver que aos vinte é que se teve tudo.

David Mourão-Ferreira

Máximas Ou Mitos Sobre Sexo??????

Máximas sobre sexo!!!!! Mentiras ou verdades sobre sexo???
(01) “A diferença entre o sexo pago e o sexo grátis é que o sexo pago costuma sair mais barato”.
(02) "No que respeita a sexo, o cérebro é o meu segundo orgão favorito".
(03) "O sexo é como uma estação de serviço: às vezes recebe-se um serviço completo, outras vezes tem que se pedir para se ser atendido, e há vezes em que temos que nos contentar com o self-service."
(04) "O sexo é como merda: alivia."
(05) "O Sexo é como a Matemática, somam-se os corpos, subtraem-se as roupas, dividem-se as pernas e espera-se que haja multiplicação."
(06) “No que respeita a sexo, só acredito naquilo que posso tocar. Não acredito, por exemplo, na Angelina Jolie.”
(07) “Mulher de amigo meu, pra mim é óptima.”.... será assim , esta máxima, ou estou baralhado??
(08) "Para o arquitecto, o sexo é um erro de projecto, porque a área de lazer fica muito próxima á área de saneamento."
(09) " AA ffaallttaa ddee sseexxoo ffaazz vveerr eessttaass lleettrraass aa ddoobbrraarr. "
(10) "o melhor sexo é o mais longo".
(11) "O orgão sexual está entre as orelhas...evitem de o procurar entre pernas!"
(12) Já dizia o meu avô: "O melhor do sexo, é o cheiro a rata... sente-se a 4 mil léguas contra o vento."
(13) “Sexo é hereditário. Se os teus pais nunca o fizeram, vocês também não farão.”
(14) Blue - "O sexo é cura instantanea para pequena depressão".Valeu!
(15) Água Ardente H2Oh! - "Sexo é como um jogo de cartas: se você não tem um bom parceiro (ou parceira), é melhor que tenha uma boa mão." (Woody Allen)
(16) ɐlıɯɐɔ - "Sexo entre héteros é sempre igual, a mulher pede mas e o homem não aguenta nem a terceira"
(17) ɐlıɯɐɔ - "Se homens não conseguem satisfazer uma, o que fazem a procurar por outras"

NOTA:

:

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Homero Aridjis revisitado



Sé que piensas en mí...

Homero Aridjis

Sé que piensas en mí
porque los ojos se te van para adentro
y tienes detenida en los labios
una sonrisa que sangra largamente
Pero estás lejos
y lo que piensas
no puede penetrarme
yo te grito Ven
abre mi soledad en dos
y mueve en ella el canto
haz girar este mundo detenido
Yo te digo Ven
déjame nacer sobre la tierra.


Sei que pensas em mim...

Sei que pensas em mim
Porque teus olhos se fecham
E tens nos lábios apertados
Um sorriso que sangra largamente.
Porém, estais distante
E o que pensas
Não pode penetrar-me
E eu te grito vem
Abre minha solidão em dois
E move nela o canto
Que faz girar este mundo parado.
Eu te digo vem
Deixa-me nascer sobre a terra.

Aí! Se eu te visse....



Aí! Se eu te visse, como sonho, nua,
A pele molhada, as coxas brancas tuas,
Os negros pêlos, entre elas, abruptos
Pedindo beijos e gestos dissolutos!
Aí! Se eu te visse, mulher doce e pura,
Sobre a cama , como se uma escultura,
Porém, fremente do amor que espera,
Como as flores, se abrir na primavera.
Ah! Viver este momento quem me dera-
É como um sonho, uma volúpia doce,
Um bombom com o melhor recheio
Que é o prazer do teu ventre, dos teus seios!



Do Blog de : by spersivo

terça-feira, 3 de abril de 2012

Promessa de amor




Construirei para ti uma casa terrestre,
feita de pão e luz e música,
onde caibas apenas tu
e não haja espaço para os intrusos

E quando, à noite nos amarmos,
como se amaram
o primeiro homem e a primeira mulher,
mandarei que repiquem os tambores

- para que saibam todos que voltaram ao mundo
o primeiro homem e a primeira mulher.


João Mello

Imagem retirada do Google

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Respiro o teu corpo ....




Respiro o teu corpo:
sabe a lua-de-água
ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a luz mordida,
sabe a brisa nua,
ao sangue dos rios,
sabe a rosa louca,
ao cair da noite
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.


Eugénio de Andrade

Foto:Hataiiia Hataiiia

domingo, 1 de abril de 2012

Jorge Palme / estrela do mar





Numa noite em que o céu tinha um brilho mais forte
E em que o sono parecia disposto a não vir
Fui estender-me na praia sozinho ao relento
E ali longe do tempo acabei por dormir

Acordei com o toque suave de um beijo
E uma cara sardenta encheu-me o olhar
Ainda meio a sonhar perguntei-lhe quem era
Ela riu-se e disse baixinho: estrela do mar

Sou a estrela do mar
Só ele obedeço, só ele me conhece
Só ele sabe quem sou no principio e no fim
Só a ele sou fiel e é ele quem me protege
Quando alguém quer à força
Ser dono de mim

Não se era maior o desejo ou o espanto
Mas sei que por instantes deixei de pensar
Uma chama invisível incendiou-me o peito
Qualquer coisa impossível fez-me acreditar

Em silêncio trocámos segredos e abraços
Inscrevemos no espaço um novo alfabeto
Já passaram mil anos sobre o nosso encontro
Mas mil anos são poucos ou nada para a estrela do mar.