Seguidores

domingo, 31 de janeiro de 2016

rui amaral mendes

lógicas
Janeiro. 

Mergulho na noite, na sala quente, embalado pela luz suave que me envolve no meio dos livros, anarquicamente dispostos no sofá, com a gata a meu lado.
Mergulho na noite para me encontrar nos interstícios dos silêncios.
A lua segue cheia, projectando alguma luminosidade sobre a rua numa noite sem grandes nuvens. Lembro-me do significado que tinha para ti o luar.
Da janela há muito esquecida da persiana que em tempo a protegeu vejo a árvore despida em frente. Estranho... abraço a lógica, mas é na sua ausência que verdadeiramente me encontro e revelo.
A lógica.
A lógica diz que à hora a que escrevo metade do mundo dorme... mas eis-me acordado.
Talvez seja aquilo a que a Matilde chamou o “intervalo ténue entre o sono e agilidade”.
Desculpa. Não é dos silêncios que te quero falar. Não a ti, que tanto te queixavas dos meus silêncios. ...
A madrugada vai longa e dirijo-me para o quarto onde mergulho, nu, na cama ainda por fazer desde manhã.
Escuta: esta noite sonhei.
Ao tempo que não sonhava. É verdade que é difícil: a duração dos meus sonos é pouco propícia às epifanias dos sonhos, remetendo-os para as horas de silêncio. Sonho de noite... acordado. Irónico, não é?!
É, deve ser isto a que a Matilde chamou o “intervalo ténue entre o sono e agilidade”. Só pode ser.
Escuta: hoje foi diferente.
Hoje sonhei enquanto dormia: entreguei-me nos teus braços, abandonei-me no teu corpo.
Reinventei-me enquanto me perdia.
Sabes, não sei se te apercebeste, mas durante o tempo em que estivemos juntos, fez sempre Verão... apesar de ser Outono.
Razão tinha o Valter quando descreveu sem o saber, naquela música do Paulo Praça, o que fazíamos quando estávamos juntos: “deslocávamos os cometas sem querer, as estrelas p'ra desenhos e a lua garantindo o amor.”
Lógica?!!! Estivesses a meu lado e imagino o teu riso único triturando as minhas certezas.
Um dia talvez perceba os insondáveis mistérios do amor, esse supremo e permanente mutante.
Escuta: hoje acordei com um indescritível desejo de abandonar os meus lábios na tua pele.
Pensei ligar-te. Queria encontrar-te... para me perder.
Logicamente.
Um beijo.



rui amaral mendes in esquissos   
 
 
                                                              

1 comentário:

fatima maria disse...

Hoje sonhei enquanto dormia: entreguei-me nos teus braços, abandonei-me no teu corpo.
Reinventei-me enquanto me perdia.
Sabes, não sei se te apercebeste, mas durante o tempo em que estivemos juntos, fez sempre Verão... apesar de ser Outono.

Muito lindooooooooooo,bjinhos