Seguidores

segunda-feira, 5 de maio de 2014

: Fernando Jorge Benevides /// Porto de abrigo

Porto de abrigo

Que tal irmos para junto do mar 
e...simplesmente olhar

Ver o bater das ondas no seu vai e vem 
chegando à praia

Por vezes, batendo com tanta força
por vezes, batendo suavemente 
que nos chega aos pés 

Sem pedirmos sem sequer imaginarmos 
que o vento soprando sem pensar
na sua rota constante, incessante e cansada

Batendo, batendo, na suavidade das ondas
que se quebram sem cessar... 

permitindo que o barco 
navegue tranquilo rumo ao infinito 
esbatendo-se num porto que tanto buscamos... 
encalhado, às portas de um rio.

Autor: Fernando Jorge Benevides

Que tal irmos para junto do mar
e...simplesmente olhar

Ver o bater das ondas no seu vai e vem
chegando à praia

Por vezes, batendo com tanta força
por vezes, batendo suavemente
que nos chega aos pés

Sem pedirmos sem sequer imaginarmos
que o vento soprando sem pensar
na sua rota constante, incessante e cansada

Batendo, batendo, na suavidade das ondas
que se quebram sem cessar...

permitindo que o barco
navegue tranquilo rumo ao infinito
esbatendo-se num porto que tanto buscamos...
encalhado, às portas de um rio


 : Fernando Jorge Benevides

1 comentário:

Rosa Purpura disse...



O AMOR é uma onda que nos leva ao infinito...

e devemos abraçá-la sem medo de "perder o pé"...

Lindo poema...gostei

beijoooo

Rosa Purpura