Seguidores

sexta-feira, 21 de março de 2014

José Ángel Buesa /// Poema del amor ajeno



Poema del amor ajeno

José Ángel Buesa

Puedes irte y no importa, pues te quedas conmigo
como queda un perfume donde había una flor.
Tú sabes que te quiero, pero no te lo digo;
y yo sé que eres mía, sin ser mío tu amor.

La vida nos acerca y la vez nos separa,
como el día y la noche en el amanecer…
Mi corazón sediento ansía tu agua clara,
pero es un agua ajena que no debo beber…

Por eso puedes irte, porque, aunque no te sigo,
nunca te vas del todo, como una cicatriz;
y mi alma es como un surco cuando se corta el trigo,
pues al perder la espiga retiene la raíz.

Tu amor es como un río, que parece más hondo,
inexplicablemente, cuando el agua se va.
Y yo estoy en la orilla, pero mirando al fondo,
pues tu amor y la muerte tienen un más allá.

Para un deseo así, toda la vida es poca;
toda la vida es poca para un ensueño así…
Pensando en ti, esta noche, yo besaré otra boca;
y tú estarás con otro… ¡pero pensando en mí!
Poema do amor alheio

Podes ir e não importa, porque ficas comigo
como fica um perfume onde havia uma flor.
Tu sabes que eu te amo, porém, não te digo;
e eu sei que és minha, sem ser meu o teu amor.

A vida nos aproxima e nos separa,
como o dia e a noite no amanhecer ...
Meu coração anseia por tua água clara,
Porém, és uma água alheia que não devo beber...

Por isto podes ir, porque ainda que eu não te sigo,
nunca te vais de todo, como uma cicatriz;
e minha alma é como um sulco, quando se corta trigo,
pois, ao perder a espiga retém a raiz.

Teu amor é como um rio, que parece mais fundo,
inexplicavelmente, quando a água se vai.
E eu estou na borda, porém, olhando para o fundo,
Pois, teu amor e a morte têm um algo a mais.

Para um desejo assim, uma vida é pouca;
e toda a vida é pouca para um sonho assim...
Pensando em ti, hoje à noite, eu beijarei outra boca;

1 comentário:

Fatima Pereira disse...

lindissimo,o amor é mesmo assim........bjinho