Seguidores

sexta-feira, 21 de julho de 2017

maria helena guimarães




AMASTE-ME DEMAIS

Amaste-me demais!
Um amor de posse,
nervoso,inquieto;
teia dourada
que me limitava o passo.
Amaste-me demais!
Como amas os troféus
das tuas viagens
que nos seus lugares exactos
se deixam acariciar pelo teu olhar.
Memórias dos triunfos do passado
que te alimentam o orgulho.
Amaste-me demais!
Como às estátuas de mármore
que nuas te deleitam
e te recebem na solidão organizada
e imaculada do Outono.

Amaste-me demais!



Com um amor observado 
e controlado
pelos olhares das mulheres da tua vida
presos nos caixilhos de prata
a profanarem a minha nudez 
e a nossa cumplicidade.
Amaste-me demais!
Com o orgulho de ontem,
a indecisão de hoje
e o medo do amanhã.
Não se pode ser assim amada.
Morre-se

maria helena guimarães
Do livro Contigo à Lareira
edium editores pag. 65/ Ano 2012


Livros publicados :
INTIMIDADES/1994
MANHÃS DE SETEMBRO/1998
Editou o primeiro romance Dar a vida pela vida,
editorial Minerva em 2001 a que se seguiu o
romance Caminhos de Jasmim e Rosa Chã ,
Papiro Editora , em 2008
CONTIGO `A LAREIRA/2012
Teve um poema premiado nos 3ºs Jogos Florais da
Editora abrace, de Montevideu , Uruguai , em
Outubro de 2011
Faz parte de vários grupos portuenses de poesia.
É membro da Sociedade Portuguesa de Autores.  

FOTO DA  POETISA

Foto de Antonio Baptista.


1 comentário:

fatima maria disse...

Amaste-me demais!
Um amor de posse,
nervoso,inquieto;
teia dourada
que me limitava o passo.
Amaste-me demais!
Como amas os troféus
das tuas viagens
que nos seus lugares exactos
se deixam acariciar pelo teu olhar.



PS:Não gostava de ser assim amada!!!

beijinhosssssssssss,boa noitinha