Seguidores

terça-feira, 18 de julho de 2017

maria helena guimarães




O SONHO E O MEDO


A alma a esvoaçar
o espaço,
dedos a definir
imaginários
contornos,
o pensamento
submerso,
o sol aquietando-me
o peito,
neste sentir sem jeito,
sem razão,
num universo de sonho
a fluir na quietude
da tarde.
Sorvo o deleite
que invento,
embriago-me
no sentimento
para esquecer
o medo,
a angústia
da dúvida
que na razão
desperta
a cada
momento.
Janeiro 2003

" Nascuntur poetae , fiunt
oratores
Foi esta sentença latina
que me ocorreu ao ler ,
deleitada , as Manhãs de
Setembro...
De facto a poesia é um
dom , não se aprende..."
Do livro as Manhãs de Setembro
publicado em Dezembro de 1998

Foto da autora do poema

Foto de Antonio Baptista.

1 comentário:

fatima maria disse...

Sorvo o deleite
que invento,
embriago-me
no sentimento
para esquecer
o medo,
a angústia
da dúvida
que na razão
desperta
a cada
momento.


beijos Conde!!!!!