Seguidores

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Laura Santos //// Sinto a tua falta

 
 

                                        Sinto a tua falta

                                        quando
                                         no mofo dos dias
                                         os braços da aurora me acordam
                                         e do peito uma ave se solta em voo de luz
                                         em direcção à nora
                                         onde os meus olhos bebem a manhã
                                         na névoa do velho alcatruz.

                                        Quando
                                          os raios do meio-dia escorrem
                                          pelas paredes num lamento
                                          e o calor refugiado na sombra
                                          não me refresca o pensamento
                                          na hora dorida que se arrasta
                                          sem vontade de morrer na lonjura
                                          que de ti me afasta.
                                          E é vertical a tua lembrança
                                          caindo a prumo. Transportando
                                          para as masmorras da esperança
                                          a escuridão da noite e a voz
                                          que permanece muda
                                          no atalho da distância.
                                          O brilho das coisas raras esconde-se
                                          na seiva dos lírios e num desejo
                                          feito cobiça de águas invioladas
                                          onde se atrevem temerários sonhos;
                                          os últimos sobreviventes
                                          do amor e da morte. Reféns
                                          suspensos de grandes asas
                                          que se despenham fazendo estremecer
                                          os alicerces dos homens e das casas.
                                          Apanho-os do chão, labareda feita água
                                          na plenitude do nada, dura solidez
                                          em que me sinto e me distraio
                              
                                         quando
                                          atravesso o rio e os meus passos
                                          lentamente marginais
                                          não alcançam como dantes
                                          os desígnios dos espaços siderais
                                          e uma nota em dó menor
                                          atormenta o sono das pedras.

                                        Quando
                                          ao cair da tarde uma folha seca
                                          soa em corrupio no vento
                                          e desaparece sem o regresso
                                          do sol ao firmamento.

Laura Santos



 Composta e cantada por Jacques Brel em 1959, "Ne Me Quitte Pas" é segundo o autor, uma canção não sobre o amor mas sobre a cobardia dos homens. Neste caso sobre a sua própria cobardia em relação a Suzanne Gabriello.









1 comentário:

fatima maria disse...

lindo,como sempre..........
Bj D. Juan