Seguidores

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Laura Santos //// Pele....

 
 
Tudo acorda em mim enevoado
quando em mim te afundas e te deitas.
Um torpor, um arrepio na espinha
quando nas minhas coxas te ajeitas
em leve murmúrio abafado
numa vontade que já não é minha.
Seiva, saliva, humidade de poros,
vaga de lume batida em corpo salgado
tropicais cascatas e meteoros
oscilando em revolta navegação
como calado de barco afogado
fogo liberto em silêncio de amarração.
A minha pele adormecida
 é avida de astrolábios desconcertados
de tanta sede acometida.
De gestos de ternura perfumados
de sol, chuva e frescas nuvens
de mastros de coragem levantados.
 
Mas tu hoje não vens...
 
Laura Santos 
 
 
Nu sentado //  Picasso
 
 
 
 
Márcia com JP Simões, "A Pele Que Há Em Mim"(Quando o Dia Entardeceu). Pelo poema, e pela voz do JP Simões. "Sobre a pele que há em mim tu não sabes nada. Dá-me o mar, o meu rio, a minha estrada. O meu barco vazio na madrugada."
 
 
 
 

1 comentário:

fatima maria disse...

Mais outro belo poema!!!!!!


A minha pele adormecida
é avida de astrolábios desconcertados
de tanta sede acometida.

Beijoka Conde.